Bahia no Século 20

 

A Bahia entrou no século 20 com elevado conceito no Brasil e no exterior. Era um dos principais produtores do País na área têxtil, com indústrias no Recôncavo Baiano e em Valença. Grande produtor de cacau, algodão e diamantes. Exportava seus famosos charutos Suerdieck para a Europa e as ferrovias estavam em franca expansão. Salvador, chamada de Atenas Brasileira, foi remodelada com grandes avenidas, belos edifícios e um novo porto.

Mas o século 20 marcou o declínio econômico da Bahia, iniciado nas últimas décadas do século 19. Cem anos antes, era a mais rica entre todas as províncias do Brasil. A Bahia continuou a receber imigrantes asiáticos e europeus, mas sem causar a mesma importância econômica como no século 19. No início dos anos 1950, a Bahia era a quinta maior economia da Federação. Nas décadas seguintes, foi ultrapassada pelo Paraná e passou a brigar pela sexta posição com Santa Catarina. Nos anos 1960, Salvador, que fora a maior metrópole brasileira, era uma cidade decadente e assim continuou até o final do século.

A inflexão para o crescimento econômico da Bahia e de Salvador acontece somente agora, na segunda década do século 21, quando Rio de Janeiro e São Paulo mostram sinais de decadência. Existe uma clara reversão do fluxo migratório no Brasil, do Sudeste para as demais regiões brasileiras. A recuperação baiana começou a ser construída nas últimas décadas do século 20, com grande industrialização na Região Metropolitana, investimentos em regiões turísticas, criação de mais universidades e abrangente eletrificação rural, que permitiu, entre outros benefícios, irrigação em grandes áreas. O Oeste Baiano, por exemplo, deu um salto em desenvolvimento e recebeu muitos imigrantes do Sul do País.

Nas artes, os baianos foram multi-revolucionários. A Capoeira, antes uma expressão folclórica, foi transformada em arte marcial pelos grandes mestres baianos. Na literatura, destacaram-se, entre outros, João Ubaldo Ribeiro e Jorge Amado, o maior escritor brasileiro. No cinema destacaram-se o revolucionário Glauber Rocha e Dias Gomes. Nas artes plásticas destacaram-se Prisciliano Silva, Mario Cravo, Calasans Neto e outros.

Na música, uma infinidade de maravilhas, incluindo a invenção do Trio Elétrico, as composições de Assis Valente para Carmem Miranda, as obras-primas de Caymmi, a criação da Bossa Nova por João Gilberto, a liderança no Tropicalismo, o rock baiano de Raul Seixas, os tambores do Olodum, a Timbalada de Carlinhos Brown, a guitarra baiana de Armandinho e a revolução do Axé.

História da Bahia no século 20, em cronologia:

1902 - Manuel Pedro dos Santos, o Bahiano, fez a primeira gravação musical, no Brasil, com Isto é Bom, de Xisto Bahia.

1905 - A fábrica de charutos Suerdieck foi construída em Maragogipe, por alemães. Tornou-se uma marca famosa e os charutos eram exportados para a Europa. Posteriormente, outras fábricas e armazéns da Suerdieck foram construídos em outras cidades do Recôncavo. O aproveitamento do fumo existiu na Bahia desde o século 17. Até as primeiras décadas do século 20, a Bahia era um grande produtor de tabaco e seus derivados.

1907 - Ruy Barbosa destacou-se como o Águia de Haia na Conferência de Paz na Holanda.

1908 - O médico baiano Pirajá da Silva descobriu o agente patogênico da esquistossomose, trabalhando no antigo Instituto Clínico do Hospital Santa Izabel.

1912 - Bombardeio de Salvador, uma ação militar truculenta do Presidente da República, adversário de Ruy Barbosa, que resultou em mortes, destruição de prédios históricos e perda de imenso acervo cultural da Biblioteca Pública.

1916 - Promulgado o Código Civil Brasileiro. Sua elaboração resultou na famosa batalha gramatical entre os baianos Ruy Barbosa e Carneiro Ribeiro, com publicação das obras Réplica e Tréplica.

1919 - Levante Sertanejo. Coronéis do interior da Bahia, especialmente no Sudoeste baiano, lideraram um levante armado contra restrições promovidas pelo Governo da Bahia, visando reduzir a influência dos coronéis nos municípios. Em 1920, houve intervenção federal no Estado da Bahia, resultando em acordos com os coronéis e o fim do Levante.

Limites do Estado da Bahia. De 1919 a 1926 foram firmados alguns acordos com os estados vizinhos, visando melhor definir os limites do território baiano. Minas Gerais, Piauí e Goiás, em 1919. Espírito Santo, em 1920/1926. Sergipe, em 1921.

1925 - A empresa francesa Compagnie Générale d'Entreprise Aéronautiques construiu um campo de pouso, em Lauro de Freitas, que se tornou o Aeroporto Internacional de Salvador, em 1941, com as ampliações devido à II Guerra Mundial.

1930 - O Governador da Bahia, Vital Soares, foi eleito Vice-Presidente da República, na chapa com Júlio Prestes, mas não tomou posse devido ao golpe de estado que depôs o Presidente Washington Luís, em 24 de outubro. Em 3 de novembro, Getúlio Vargas tomou o poder.

A Bahia entrou na rota do Graf Zeppelin, que retornou algumas vezes com serviço de correio. Em 1936, o Hindenburg também passou pela Bahia.

1935 - Em 20 de agosto, foi promulgada uma nova Constituição do Estado da Bahia. Essa nova constituição estadual foi necessária após a promulgação da Constituição Federal de 1934.

1938 - O Bando de Lampião foi capturado pela polícia baiana, em Angico, Sergipe. Lampião e seu bando entrou pela primeira vez na Bahia em 1928.

1939 - Em janeiro, o primeiro poço de petróleo do Brasil jorrou em Lobato, subúrbio de Salvador.

1942 - O Brasil entrou na Segunda Guerra Mundial. Centenas de baianos foram enviados, alguns perderam a vida.

1944 - Walt Disney enviou o Pato Donald à Bahia no filme Você já Foi à Bahia?

1946 - Foi criada a Universidade da Bahia pelo Decreto-Lei Nº 9.155, de 8 de abril, incorporando a Faculdade de Medicina, Odontologia, Farmácia, Faculdade de Direito, Escola Politécnica, Faculdade de Filosofia e Faculdade de Ciências Econômicas. Em 1950, tornou-se Universidade Federal da Bahia, com ampliação de cursos. As raízes da UFBA remontam à fundação da Faculdade de Medicina, em 1808, a primeira do País.

Em 18 de setembro, uma nova constituição nacional foi promulgada. Em 2 de agosto de 1947, uma nova constituição estadual foi promulgada pela Assembleia Constituinte da Bahia.

1950 - Fundado o Centro Educacional Carneiro Ribeiro ou Escola Parque, em Salvador. Uma concepção pioneira de estudo integrado feita pelo educador baiano Anísio Teixeira. O modelo baiano inspirou a criação de escolas integradas em São Paulo, Rio de Janeiro e outros estados.

Em setembro, foi inaugurada a Refinaria Landulpho Alves, em Mataripe, município de São Francisco do Conde. Foi a primeira refinaria de petróleo do Brasil.

1961 - A Universidade Católica do Salvador foi reconhecida.

1966 - Em 11 de abril, foi inaugurado o Centro Industrial de Aratu, no município de Simões Filho. O Porto de Aratu foi inaugurado em 1975.

1976 - Fundada a Universidade Estadual de Feira de Santana.

1978 - Inaugurado o Polo Petroquímico de Camaçari. Posteriormente passou a abrigar indústrias de outros segmentos, como a automobilística, e passou a se chamar Polo Industrial de Camaçari.

1980 - Fundada a Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

1989 - Foi promulgada a atual Constituição do Estado da Bahia.

1991 - Fundada a Universidade Estadual de Santa Cruz (Ilhéus).

1992 - Em 13 de março, faleceu Irmã Dulce, beatificada em 2011.

1994 - O cientista baiano Milton Santos (1926 - 2001) recebeu o prêmio Vautrin Lud, considerado o "Nobel" da Geografia, por seus trabalhos em ciências sociais.

 

Mais: Salvador no século 20

 

Teatro Bahia

 

O Senado da Bahia durante a posse do governador Araújo Pinho, em 28 de maio de 1908. Seu governo marcou o fim de uma era em que a Bahia era dominada politicamente por Ruy Barbosa. Pinho renunciou em 13 de dezembro de 1911, devido às pressões do truculento presidente da República Hermes da Fonseca. Esses conflitos culminaram no Bombardeio de Salvador, em 10 de janeiro de 1912.

 

◄ História da Bahia

 

 

História da Bahia

Arqueologia

Descobrimento

Século 16

Século 17

Século 18

Século 19

Mapas Históricos

 

Cinema Novo

 

Ruy Barbosa em sua Campanha Civilista para Presidente da República, em 15 de janeiro de 1910, no Teatro Polyteama de Salvador. As eleições foram denunciadas como fraudulentas e ganhou o candidato governista Hermes da Fonseca (acervo Fundação Casa de Rui Barbosa).

 

Irmã Dulce

 

Petroleo Lobato

 

Senado Bahia

 

Equipamentos para exploração de petróleo em Lobato, o primeiro poço de petróleo do Brasil, em foto publicada em setembro de 1940, na Revista Seiva.

 

Os atores baianos Othon Bastos e Geraldo Del Rey no filme Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), do cineasta baiano Glauber Rocha, ícone do Cinema Novo. O filme quebrou padrões e influenciou o mundo do cinema da época.

 

Zeppelin

 

Atlas antigo

 

Cultura baiana

 

Bahia no Século 20

 

Mapas Históricos da Bahia

 

Bahia seculo xix

 

A baiana Martha Vasconcellos foi eleita a mulher mais bela do mundo, em 1968. O Brasil venceu duas vezes o Miss Universo. A primeira foi a gaúcha Ieda Maria Vargas, em 1963. A miss brasileira mais lembrada, entretanto, é a baiana Martha Rocha, que ficou em segundo lugar no Miss Universo, em 1954.

 

Bahia seculo XVII

 

O baiano Rubens Pinheiro chega em Nova York, em abril de 1929, após dois anos viajando de bicicleta e atravessando 11 países, saindo de Salvador aos 17 anos de idade.

(acervo da família).

 

Seculo 20

 

Copyright © Guia Geográfico - História da Bahia.

 

Bahia seculo 18

 

Rubens Pinheiro

 

Monumentos Salvador

 

 

 

Por Jonildo Bacelar

 

Historia da Bahia